Governo americano proíbe uso dos softwares da Adobe na Venezuela

Por Alana Santos

Há pouco tempo o atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump anunciou um novo conjunto de sanções para limitar o acesso da Venezuela a tudo que sai dos Estados Unidos.

Devido a essas medidas os usuários venezuelanos dos programas da Adobe receberam um e-mail esta semana avisando que em breve terão suas assinaturas suspensas e contas deletadas.

A medida incluí venezuelanos que moram nos Estados Unidos.

“Devido à ordem presidencial executada nos Estados Unidos, referente às atividades com o governo da Venezuela, a Adobe não tem mais permissão para fornecer acesso aos seus softwares e serviços ou permitir que você faça novas aquisições“, diz o e-mail enviado pela Adobe.

A sanção que foi imposta para a Venezuela é semelhante à imposta para a China. Nelas o presidente proibiu empresas estadunidenses de fazer negócios com os países mencionados.

A ordem se estende às soluções gratuitas da empresa e também proíbe de emitir ressarcimentos pelas soluções pagas.

Os assinantes dos pacotes Adobe não receberão ressarcimento pelo dinheiro investido. Ou seja, mesmo que alguém tenha comprado uma assinatura de um ano e só usufruído dos produtos por um dia, essa pessoa perderá o acesso aos programas sem direito a reembolso.

Ainda não existe uma declaração oficial da Adobe sobre a questão, porém a página de perguntas e respostas da empresa, já consta que ela está removendo suas ofertas, soluções e produtos do país latino americano em obediência à Ordem Executiva 13387.

Nós somos incapazes de emitir reembolsos. A Ordem Executiva 13384 comanda a finalização de toda atividade com as entidades, incluindo vendas, serviços, suporte, reembolsos, créditos etc.“, diz a página.

A Adobe esclarece que usuários terão até o dia 20 de outubro de 2019 para baixarem seus dados, contas e conteúdo armazenados na nuvem da empresa e que fará todos os possível para restaurar os serviços na Venezuela assim que for legalmente possível.