Com amistosos da seleção fora da Globo, patrocinadores podem ter prejuízo incalculável

A atual decisão da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) de romper com a Globo e lançar um novo modelo de transmissão dos jogos da seleção será um tiro no pé de acordo com especialistas. Quem comentou um pouco sobre o assunto é o Fabio Wajngarten, um dos principais observadores do mercado de mídia do país, criador do Controle da Concorrência.

“O prejuízo para os patrocinadores da seleção é incalculável. É como comparar banana com feijoada”, diz Fabio.

A CBF fará ela mesma a transmissão dos dois próximos amistosos do time do técnico Tite, contra a Argentina e a Austrália. Ela irá captar as imagens, fazer a locução, os comentários e comprar espaço em emissoras abertas. Está vendendo de duas a quatro cotas de patrocínio por R$ 2,3 milhões cada, valor ancorado principalmente na exibição ao vivo pelo Facebook.

As duas partidas serão transmitidas pelas TV’s Cultura e Brasil, além do Facebook. A Cultura registra no máximo 1,5 ponto de média diária no Ibope da Grande SP. Na TV Brasil, do governo federal, os programas mais vistos não passam de 0,4 ponto. Já a Globo oscila entre 15 e 18 pontos de média das 7h à meia-noite. O último amistoso da seleção, contra a Colômbia, rendeu 25 em Janeiro. No horário dos próximos amistosos, a partir das 7h, a Globo costuma ter 10 pontos.

Wajngarten não acredita que o Facebook compense a exposição que as duas TV’s não têm. São poucos os brasileiros que possuem televisores conectados com aplicativos da rede social e que poderão ver os jogos na tela grande. Para ela a maioria tentará assistir por telefones celulares.

“Qual brasileiro tem um pacote de dados suficiente para ver um jogo inteiro no mobile?”, questiona. “E a banda larga é sofrível fora dos grandes centros urbanos”, ele ressalta.

O resultado disso tudo será catastrófico para os patrocinadores da seleção (Guaraná Antárctica, Nike, Vivo, Itaú, Mastercard, Gol, Ultrafarma, EF, Cimed e Universidade Brasil). Sem o apoio das grandes redes abertas, principalmente da Globo, a exposição dessas marcas será muito menor, assim como a eficácia de seus anúncios.

“Os anunciantes estão na CBF por causa da exposição da seleção. O marketing é movido pela exposição de marcas, e não há mídia mais vencedora do que a TV aberta para a construção de marcas”.

Antes de partir para o novo modelo de transmissão de jogos de futebol, a CBF tentou vender os direitos para a Globo, por obrigação contratual. Mas pediu, no último minuto, um valor considerado absurdo, US$ 2,5 milhões (aproximadamente R$ 8,1 milhões de reais).

Com a parceria com o Facebook, dificilmente chegará perto desse valor. Se a rede social vender as quatro cotas, arrecadará R$ 9,2 milhões brutos, sobre os quais incidem impostos e comissão de agências (20%). A CBF ficará com parte disso.

As informações que vêm do mercado, no entanto, não são animadoras. O Facebook está enfrentando dificuldades para negociar as cotas de patrocínio. Além do pouco tempo e da desconfiança quanto à cobertura/audiência da transmissão, tem-se questionado seu caráter chapa-branca, com todo o conteúdo sob controle da CBF. Os patrocinadores da seleção já manifestam preocupação em conversas reservadas.

“Tenho certeza de que este modelo da CBF não vai dar certo”, encerra Fabio Wajngarten.

Gostou? Deixe nos comentários sua opinião sobre essa nova mudança.

Estudante de Sistemas de informação com 21 anos, descobri que todos temos um pouquinho de publicitário em nós. Amo livros, chocolate, séries, e é claro, café! Revisora e Instagrammer do grupo Publicitários Criativos.