A relevância e o poder dos Youtubers na publicidade

Por Fillipe Luis

O modelo de comunicação como conhecemos está num processo de evolução acelerado e arriscaria dizer que estamos em um ponto de inflexão, onde o que chamamos de “o digital” voltará a ser a comunicação.

A tecnologia nos brindou com uma capacidade de conexão sem precedentes e derrubou fronteiras, criou um fluxo de informação orgânico 24 horas por dia, sete dias por semana. Qualquer pessoa pode produzir conteúdo, criar tendências ou até mesmo ser uma referência social a um custos acessíveis.

No meio dessa evolução silenciosa, existe algo que cresce em progressão geométrica, mas ainda aparece pouco no radar dos profissionais de marketing: a relevância e o poder dos influenciadores sociais e dos Youtubers.

O Meio&Mensagem realizou um estudo de campo participando de alguns eventos como BGS, ComiCon, DSX, BrandCast e League of Legends para decodificar a cultura popular das novas gerações, além de conversar com suas referências, ídolos e empreendedores que já tentam organizar essa nova dinâmica.

Pensando em três grandes referências para essa nova geração, criados e desenvolvidos fora do mundo tradicional, temos o Whindersson Nunes, com seus 13,7 milhões de seguidores, o  Christian Figueiredo, que reúne nove milhões em seus dois canais, e a Kéfera com quase dez milhões.

O futuro quem dominar conteúdo e/ou serviço, que tendem a ser cada vez mais segmentados por necessidades, interesses, paixões. E a multiplicação de influenciadores sociais é um bom indicador dessa evolução.

A própria TV já percebeu isso — interessante observar a crescente participação de influenciadores nos programas, buscando atrair novas audiências. A própria Globo vem escalando novos talentos para suas novelas baseados em popularidade social além de criar um quadro no Fantástico com o Christian Figueiredo.

O Luiz Felipe Barros, fundador da Digital Stars, me contou que alguns desses influenciadores duplicaram ou até triplicaram a audiência de programas de TV por onde passaram — curiosa essa inversão de quem leva tráfego para quem. Outros exemplos?

O programa Entubados criado pela Formata para o Multishow, o filme no cinema da Kéfera — o Cristian Figueiredo está finalizando o seu —, o álbum de Figurinhas da Panini somente com youtubers ou canais como o Nostalgia do Felipe Castanhari, que atingiu 1,3 milhões de views para um vídeo de uma hora sobre a Primeira Guerra Mundial.

Fonte: Meio&Mensagem