Americanas desiste do BBB 23 e Mercado Livre assume patrocínio

Por Alana Santos

Depois da divulgação de um rombo de R$ 20bilhões, a Americanas decidiu deixar a lista de patrocinadores do Big Brother Brasil 2023.

Com a saída da varejista, um de seus principais concorrentes, o Mercado Livre, assumiu a cota Big, que tem valor estimado em R$ 100 milhões. Segundo o Mercado Livre, o contrato do BBB inclui a participação em atividades e dinâmicas rotineiras do programa.

Será uma oportunidade de potencializar as conexões com o público consumidor e empreendedores de todo o país, comunicando benefícios e vantagens do nosso ecossistema”, disse o e-commerce.

Em nota oficial, a TV Globo afirmou que compreende a decisão da Americanas em focar na gestão dos negócios. A emissora também desejou boas-vindas ao Mercado Livre, salientando que ambas as varejistas são parceiras de longo prazo.

A Americanas S.A. informa que cancelou sua participação no BBB 23. Neste momento, a companhia está focada na gestão do negócio e no propósito de oferecer a melhor experiência a seus clientes, parceiros e fornecedores. A TV Globo segue como relevante parceira na estratégia de marketing e comunicação da Americanas S.A.”, informou a companhia em nota para a reportagem.

No ano passado com a participação no programa de reality, a Americanas reportou um crescimento de 50% nos acessos ao seu site e aplicativo depois de patrocinar uma das dinâmicas do programa da Globo.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Mercado Livre (@mercadolivre)

Conforme revelou a coluna de Lauro Jardim, do jornal O Globo, o juiz da 4ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, Paulo Assed, concedeu uma medida de tutela de urgência cautelar a pedido da Americanas, após o anúncio da descoberta do rombo contábil de R$ 20 bilhões na última quarta-feira (11).

Essa medida teria a capacidade de suspender a possibilidade de um bloqueio, sequestro ou penhora de bens da empresa. Além disso, adiaria a obrigação da varejista de pagar suas dívidas até que um eventual pedido de recuperação judicial seja feito à Justiça, fazendo com que a companhia “ganhe tempo”.

O juiz deu um prazo de 30 dias para que a Americanas peça recuperação judicial, se avaliar que é o caso. Segundo o colunista, este será o caminho tomado pela varejista. Procurada pelo InfoMoney, a companhia ainda não se pronunciou sobre os temas.

Mais detalhes sobre o escopo da parceria serão divulgados nos próximos dias.

Fonte/Créditos: Infomoney.

Foto: Divulgação/Meli.