Edtechs: Como a tecnologia está ajudando alunos com necessidades especiais

Por Alana Santos

A escola pode ser difícil para qualquer criança. Para alunos com necessidades especiais, os desafios podem ser ampliados.

Um TCC de educação especial e inclusiva é uma ótima opção para aqueles que estão se formando e em busca de um tema na área de pedagogia.

As lutas comuns do dia a dia escolar, como interações sociais, carga de trabalho e rostos desconhecidos, podem ser ainda mais estressantes para alunos com necessidades especiais.

Como cada aluno é diferente não apenas em suas capacidades, mas também em sua personalidade, é muito importante definir onde os alunos podem ter dificuldades.

Seja um aluno com déficit de aprendizagem, deficiência física ou outras necessidades, é importante ter certeza de que tenha suas necessidades atendidas.

Hoje a tecnologia está amenizando as dificuldades dos alunos especiais e as EdTechs tem um papel muito importante nesse movimento.

EdTechs e aprendizagem com necessidades especiais

Ensinar alunos com certas necessidades pode multiplicar rapidamente os desafios do trabalho se os professores não receberem o apoio adequado.

Algumas dificuldades que o professor pode ter para enfrentar ao ensinar alunos com necessidades especiais incluem:

  • Opiniões negativas e estereótipos;
  • Falta de suporte físico;
  • Concentre-se nas fraquezas do aluno em vez de nos pontos fortes;
  • Grande variedade de necessidades dos alunos;
  • Falta de foco em necessidades únicas;
  • Desafios de gerenciamento de sala de aula;
  • Condições de trabalho precárias;
  • Falta de apoio dos pais e da comunidade;

Os próprios alunos muitas vezes enfrentam uma crise de confiança, além dos desafios de suas necessidades exclusivas. Isso pode levar a baixa motivação e resultados de aprendizagem ruins.

Tendo um tópico de pesquisa correto é possível estudar o problemas e facilitar a vida de vários alunos no futuro e é exatamente isso que as Edtechs estão fazendo.

Novas ferramentas tecnologias desenvolvidas por Edtechs estão cada dia mais ajudando os alunos com necessidades especiais não apenas a progredir em seu próprio nível, mas também a serem colocados em ambientes mais desafiadores e inclusivos.

1. As EdTechs ajudam os alunos porque são equalizadores

Tecnologias educacionais bem implementadas ajudam os alunos a superar muitos obstáculos.

A política pública de educação especial apoia a inclusão de alunos com necessidades especiais nas salas de aula do ensino geral.

Introduzida no passado e agora conhecida como Lei de Educação de Indivíduos com Deficiências (IDEA), essa lei é como a “Declaração de Direitos” para alunos com necessidades especiais.

Essa lei garante o acesso a uma educação pública gratuita e apropriada no ambiente menos restritivo para todas as crianças.

2. EdTechs rompem barreiras físicas

Para alunos com mobilidade reduzida ou outras deficiências físicas, os aspectos do mundo físico que muitos de nós tomamos como certos podem ser assustadores.

Os alunos que usam cadeiras de rodas, andadores ou outros meios auxiliares de mobilidade enfrentam muitos desafios de acesso. Ao longo do dia, esses alunos encontram barreiras como escadas, passarelas estreitas e portas pesadas.

Monitores interativos, ou quadros brancos interativos, são o centro das salas de aula de hoje. Os equipamentos são equipados com fácil acesso a um navegador, aplicativos e funções de gravação de áudio e vídeo.

Muitas Edtechs oferecem quadros interativos com maneiras de adaptar as aulas para alunos com necessidades especiais oferecendo mais acessibilidade.

3. EdTechs oferece novas maneiras de se comunicar

Compartilhar pensamentos, discutir opiniões e criar significados juntos são as chaves para o aprendizado construtivista de hoje. Algumas deficiências podem dificultar a comunicação.

Para esses alunos, os avanços da EdTechs podem tornar possível o debate, a discussão e a criação com seus colegas.

A Comunicação Aumentada e Alternativa (AAC) usa imagens, fotos e desenhos e símbolos como a linguagem de sinais para ajudar os alunos a se comunicarem.

Eles são úteis para alunos com deficiências de desenvolvimento, como autismo, paralisia cerebral e outras deficiências potencialmente limitantes da fala.

  •  
  •  
  •  
  •